Financiamento

Quitar o imóvel: veja 5 maneiras de como fazer isso

31/07/2019
quitar o seu imóvel

Na hora da compra de um apartamento, o objetivo é diminuir ao máximo o saldo devedor até quitar o imóvel. Pensando nisso, conversamos com Igor Vieira, gerente financeiro da Cyrela, sobre dicas para quitar o seu bem.

Vamos apresentar 5 diferentes maneiras de quitar o seu apartamento. Para que você consiga escolher a melhor forma de quitação de imóveis para o seu perfil, acompanhe este post.

Boa leitura!

1. Recursos próprios

Segundo Igor, quitar o seu imóvel com recursos próprios é a melhor maneira, porque assim você não precisa utilizar valores emprestados, não compromete a renda por muito tempo e nem utiliza o crédito disponível. Embora seja menos comum, ainda é a opção mais vantajosa, pois é possível baratear o custo de compra.

Pagar o seu imóvel com recursos próprios também permite o parcelamento. O importante aqui é negociar a garantia de pagamento, aumentando a quantia das amortizações de parcelas e diminuindo os juros incidentes.

As amortizações antecipadas diminuem o valor total de pagamento, o que também diminui as correções e os ajustes. É justamente esse método que torna a compra mais barata do que em um financiamento.

Na maioria das vezes, quem investe nos imóveis com recursos próprios já estava preparado para o negócio imobiliário. Isso significa que a residência não é para morar necessariamente e, sim, muito provavelmente será um investimento para aumentar o patrimônio.

2. Financiamento

Essa ainda é a forma mais comum de fazer a quitação do seu imóvel. Grosso modo, o método se constitui em apresentar documentos comprovando que você tem condições de arcar com o valor do bem a ser comprado. A instituição financeira faz a compra e repassa as parcelas com juros para você pagar.

Aqui, também é possível amortizar valores. Dessa forma, você reduz os juros e economiza recursos, podendo investir melhor no que quer. É importante saber que para liberar o crédito o banco ou a construtora faz uma análise do seu perfil de compra. A quantia liberada para o financiamento gira em torno de 65% a 90% do valor do imóvel.

Então, o restante que não for financiado precisa ser pago com recursos próprios. Muitas pessoas preferem dar essa diferença de entrada. Quanto maior for a entrada, menos você financiará — o que também diminui os juros incidentes nas parcelas.

CTA_Tudo-sobre-financiamento-imobiliárioPowered by Rock Convert

3. Abatimento com FGTS

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) é uma ótima maneira de quitar o seu imóvel. Igor nos explica que é possível usar o valor integralmente para fazer a compra, bem como usá-lo como entrada e abatimento do saldo devedor. Assim, você financia somente o montante que sobra, diminuindo os juros.

Porém, é preciso observar algumas regras para usar o FGTS para quitar o seu imóvel. A própria Caixa Econômica Federal — banco governamental que gerencia o Fundo de Garantia — determina essas normas a serem seguidas, e elas são:

  • ser maior de 18 anos;
  • ter no mínimo 3 anos de trabalho sob o regime do FGTS, contando o período trabalhado, consecutivo ou não, na mesma empresa ou em empresas diferentes;
  • ser brasileiro ou ter visto permanente no Brasil;
  • apresentar capacidade civil e de pagamento;
  • não ter nome cadastrado em órgãos de proteção ao crédito, como o SERASA;
  • não ter recebido desconto de FGTS em outro financiamento imobiliário;
  • não ter financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), em qualquer parte do Brasil;
  • não ser proprietário, possuidor, comprador promissor, usufrutuário ou cessionário de imóvel residencial urbano (concluído ou em construção) localizado no município atual de residência ou no município em que trabalha — incluindo municípios limítrofes e integrantes da mesma região metropolitana.

Da mesma forma, o imóvel a ser comprado também precisa cumprir algumas exigências, como:

  • avaliação de até R$1.500.000;
  • ser residencial urbano;
  • destinar-se a moradia do titular do FGTS;
  • apresentar, na data de avaliação final, plenas condições de habitação e ausência de vícios de construção;
  • ter Registro de Incorporação e nenhum impedimento para comercialização;
  • não ter sido objeto de utilização do FGTS em aquisição anterior menor que 3 anos, contando o dia de registro da matrícula anterior do imóvel;
  • estar localizado no mesmo município em que o comprador trabalha ou mora, há pelo menos 1 ano, incluindo os municípios limítrofes e pertencentes à mesma região metropolitana.

4. Alienação fiduciária

Outra maneira de quitar o seu imóvel é usar a alienação fiduciária. Segundo nos conta Igor Vieira, o processo consiste em negociar diretamente com a incorporadora, usando o próprio imóvel a ser adquirido como garantia de pagamento. Esse bem é documentado legalmente em nome da credora, mas o dono original não perde o seu direito.

Assim, você pode morar na residência alienada enquanto faz o pagamento das parcelas, mas não pode vendê-lo enquanto não fizer a quitação do imóvel. Esse método diminui o saldo devedor e ajuda quem não tem comprovação de renda. Porém, é importante falar que, caso o parcelamento não seja devidamente quitado, a empresa credora pode tomar o bem.

5. Carta de crédito

Outra forma interessante de quitar o seu imóvel é a carta de crédito. Ela pode ser conseguida por meio de consórcio ou lances em leilões. As cartas são feitas diretamente no banco autorizado e consiste no pagamento parcelado de um grande montante de crédito.

A carta que autoriza o uso do crédito só é liberada no pagamento total do valor. No entanto, pode ser antecipada com os sorteios mensais ou leilões. Dessa forma, os clientes precisam seguir pagando o consórcio, pois podem perder o bem comprado com a carta.

Além da contemplação por sorteio e lance, mesmo quem está fora do consórcio pode adquirir as cartas de créditos, comprando diretamente de quem já a tem.

Como visto, existem muitas opções para quitar o seu imóvel. No entanto, a maneira mais usada pode ser a melhor escolha, uma vez que o financiamento bancário alavanca o seu alcance de investimento, além de dar algumas garantias, como o seguro financiamento para acidentes e mortes.

Sabia que a Cyrela disponibiliza assessoria gratuita para os clientes, orientando e auxiliando em todas as etapas da compra de imóvel? Entre em contato conosco pelo Portal do Cliente e converse com os nossos agentes especializados. Estamos esperando por você!

Você também pode gostar